Economia

Mobile Time, 5 Abril, 2016
  • Notícias
  • Economia Mercado

As oportunidades e os desafios do m-commerce na América Latina

foto-07 Leia mais...
Época Negócios, 2 Janeiro, 2016
  • Notícias
  • Economia Mercado

Como a Movile se tornou a primeira pontocom do país com projeção global

O app PlayKids deixou para trás YouTube, Disney e Netflix. Agora aguenta a competição?

fabricio Leia mais...
TechCrunch, 10 Setembro, 2015
  • Notícias
  • Aplicativos Economia

Lançamento da Apple TV App Store inclui parceiros Airbnb, Guitar Hero, Gilt

playkids_apple Leia mais...
Valor Econômico, 20 Setembro, 2013
  • Notícias
  • Economia

Brasileiras rumam para o Vale do Silício

Na contramão de multinacionais que trazem ao Brasil áreas de desenvolvimento e inovação, um punhado de brasileiras ruma principalmente em direção ao Vale do Silício para chegar mais perto da inovação tecnológica mundial. Entre elas, alinham-se desde marcas tradicionais da TI nacional, como Totvs e Módulo, até especialistas em áreas novidadeiras como games ou mobile.

noticia_silicon_valley Leia mais...

A presença internacional da TI brasileira começou há tempos. Na área de serviços, tem expoentes como a Stefanini, com mais de 20 escritórios espalhados pelo mundo. A BRQ é outro exemplo. Em 2008, comprou a americana ThinkInternational e hoje atende clientes como Nyse (a Bolsa de Valores de Nova York), Citibank e Cable Vision com cerca de 100 funcionários em Nova York. “A internacionalização permite experimentar modelos diferentes”, diz Benjamin Quadros, presidente da empresa cujo faturamento este ano deve chegar a R$ 520 milhões – no ano passado, foram R$ 435 milhões.

Outros estão mais preocupados com desenvolvimento. A Totvs tem produtos localizados para 25 nacionalidades e vende tecnologia no exterior há tempos, mas no ano passado apostou em um centro de tecnologia no Silicon Valley, onde hoje tem um grupo multinacional de 20 engenheiros. “Estamos mais perto do que ainda vai surgir e com novas culturas vamos conseguir ser referência global”, diz Weber Canova, vice-presidente de Tecnologia e Quality Assurance. A primeira missão do grupo foi fechar convênios com universidades como Stanford e San Jose. Também já foi liberada para o mercado nova versão da solução de gestão de identidade produzida lá.

A Exceda, fornecedora de soluções para melhoria de performance na internet, investiu R$ 6 milhões para estar presente em Nova York, Virginia, Flórida, Boston, Texas e Califórnia, onde se instalou em Palo Alto para buscar competência em tecnologia de nuvem. No fim do ano, lança solução de análise e gerenciamento de carga das aplicações de clientes desenhada com ajuda do novo CTO (chief technology officer) David Reisfeld. “Lá criamos os módulos, aqui, os códigos”, diz Claudio Marinho, sócio da empresa que tem escritórios também na Argentina e no Chile e, em cinco anos, pretende ter metade de seu faturamento, de R$ 95 milhões em 2013, proveniente de clientes americanos.

Embora seja brasileiro, o diretor de produtos da Modulo também fica nos Estados Unidos. Há quatro anos, a empresa especializada em governança, risco e compliance (GRS) tem escritório em Atlanta com 30 funcionários – também presente no Canadá, México, na Inglaterra e Índia e, entre 600 clientes, uma centena é de fora do Brasil e cerca de 60 são norte-americanos. “A presença local dá visão melhor sobre ambiente competitivo, visão de mercado, grau de maturação e demanda dos clientes”, diz CEO Sergio Thompson, cuja meta de crescimento é de 35% este ano, quando os negócios devem somar R$ 80 milhões, e 70% em 2014.

Já a Hive, desenvolvedora de games e fornecedora de soluções de mídia social, já investiu R$ 1,5 milhão na filial de São Francisco para estimular negócios e se aproximar do ambiente de inovação. Os quatro funcionários locais são encarregados de participar de eventos, estreitar parcerias e falar com quem precisa. Um dos exemplos é a plataforma Swarm, cuja capacidade de oferecer conteúdo personalizado com base em redes sociais e geolocalização exige integração com serviços como Waze e Foursquare. “Se quero falar com o cara que desenvolve o algoritmo, tem de ser lá”, diz o CEO Mitikazu Koga Lisboa, o Miti. A Hive faturou no ano passado R$ 7 milhões e este ano deve chegar a R$ 9 milhões.

No caso da Movile, fornecedora de plataformas e aplicativos para dispositivos móveis com 250 funcionários, a chegada ao Vale do Silício coroa estratégia de globalização iniciada há seis anos e reforçada com aporte do MIH, braço de investimento do sul-africano Naspers, a empresa já está presente na Argentina, Colômbia, Venezuela e no México. “O mercado da mobilidade trabalha muito rápido. Participar de eventos, competir com startups, conversar com empreendedores e empresas rende aprendizado”, diz o co-fundador da empresa e head dos Estados Unidos, Eduardo Henrique, cuja presença local já rendeu parceria com a Boingo para expansão do localizador de redes Wi Fi gratuitas FreeZone.

A Predicta também buscou investidores depois que sua plataforma de tecnologia de segmentação comportamental BTBuckets ganhou versão na nuvem e, em 12 meses, chegou a mais de 100 países. “Isso deu exposição a demandas de clientes e formas de fazer negócios diferentes da nossa”, conta o CEO Marcelo Marzona. A venda de fatia majoritária para a RBS, em 2011, permitiu buscar nos Estados Unidos profissional de desenvolvimento de negócios e desenvolver mais recursos e integrações na ferramenta para aproveitar a base instalada de parceiros como datacenters de hospedagem, que atuam como canais de distribuição.

Mesmo uma presença mais ligeira, colabora com a veia inovadora. A ContaAzul, sistema de gestão oferecido como serviço para micro e pequenas empresas, ganhou, além do capital inicial, quatro meses de mentoria em métricas, distribuição online e design quando se tornou a primeira brasileira a participar da iniciativa de aceleração 500 Startups. A experiência rendeu melhor visão do modelo de negócios e de financiamentos – a empresa teve apoio da Anjo do Brasil e do fundo Monashees, entre outros. Um dos aprendizados foi relacionado à criação da experiência do usuário. “Hoje os designers vão para a rua observar o comportamento do cliente, filmam o que ele fala e a gente faz uma seção pipoca para entendê-lo e melhorar a funcionalidade”, diz o CEO Vinícius Roveda.

Fonte: http://www.valor.com.br/empresas/3276694/brasileiras-rumam-para-o-vale-do-silicio

Fechar

Melhores Empresas para Trabalhar no Brasil 2016

lime